Fukushima aposta na neve para apagar o estigma da cat& strofe nuclear - Notícias Viagens

Hoje em dia [Fukushima aposta na neve para apagar o estigma da cat& strofe nuclear - Notícias Viagens] é um assunto quente na Internet, e o público quer saber os detalhes de [Fukushima aposta na neve para apagar o estigma da cat& strofe nuclear - Notícias Viagens], os editores do TITIBEAR coletaram e separaram o conteúdo relevante para esclarecer suas dúvidas.

Localizado no nordeste do arquipélago, Fukushima ainda é estigmatizada pela catástrofe nuclear de 11 de março de 2011. As autoridades e os profissionais do ramo de turismo deste departamento têm apostado nos desportos de inverno para atrair mais visitantes.

O setor emergente de esqui da cidade sofreu após o acidente causado por um enorme tsunami.

Mais tarde, o Japão encerrou as fronteiras durante dois anos para os visitantes estrangeiros devido à pandemia de COVID-19.

O arquipélago japonês foi totalmente reaberto para o turismo internacional em outubro passado, o que fez a província voltar a enaltecer as suas atrações com uma campanha intensa voltada especialmente para o público australiano.

Apenas 0,3% destes visitantes estrangeiros aventuraram-se no departamento de Fukushima, a 90 minutos de comboio de Tóquio.

Benjamin Tuffy, 40 anos, escolheu a estação de esqui Bandai em Fukushima para passar férias com a esposa e os dois filhos.

Os pais ficam tranquilos por Bandai estar localizado nas montanhas e a 100 km de distância, longe da usina nuclear danificada de Fukushima Daiichi e do risco de um tsunami.

Os núcleos de três reatores de Fukushima Daiichi derreteram em 2011 devido ao tsunami. Um raio de 20 quilómetros ao redor da usina foi evacuado, mas a maior parte do departamento nunca foi afetado pela radiação.

Fukushima aposta na neve para apagar o estigma da catástrofe nuclear Turistas de Taiwan no Lago Inawashiro em Bandai. créditos: AFP or licensors

Excelente neve em pó

Apenas 2,4% da superfície da área permanece inacessível, após grandes esforços de descontaminação.

Apesar disso, "a popularidade de Fukushima entre os turistas estrangeiros permanece baixa", ocupando o 43º lugar dos 47 departamentos japoneses, destacou o diretor da estação de Bandai, Go Morimoto.

Cerca de metade dos turistas estrangeiros visitavam Tóquio antes da COVID-19. Outros 30% escolhiam Kyoto e 8% Hokkaido, a grande ilha do norte do arquipélago que abriga a famosa estação de esqui de Niseko.

O antigo fundo de investimento norte-americano proprietário da estação de esqui de Bandai vendeu o espaço em 2015, convencido de que era "impossível a volta do turismo" para este local, recorda Morimoto.

Já o atual administrador elogia o "potencial" da neve em pó de Fukushima para competir com os principais destinos de desportos de inverno japoneses.

A esquiadora australiana de 68 anos Anne Cathcart relembrou as dúvidas que tinha antes da sua primeira estadia: "Questinava-me: 'Fukushima? Ouvi falar do desastre nuclear'", contou à AFP.

Cathcart achou, entretanto, a neve local "tão extraordinária" que voltou diversas vezes desde então.

Fukushima aposta na neve para apagar o estigma da catástrofe nuclear Alts Bandai Snow Park & Resort. créditos: AFP or licensors

Outras atrações turísticas de Fukushima, para além dos desportos de inverno, também passam por um renascimento.

A pequena linha ferroviária de Tadami parecia condenada depois de 2011, pouco percorrida e danificada por inundações torrenciais poucos meses depois da catástrofe nuclear.

As autoridades locais lutaram para salvar esta construção de 1928, que passa por paisagens e aldeias exóticas.

Diretor de um escritório local de turismo, Tetsuya Sato afirma que os comboios estão lotados de visitantes desde a reabertura total em outubro passado.

"Assim que o tráfego voltou a circular na linha, os vagões ficaram lotados, mesmo em dias de semana", detalha. "Nunca havíamos previsto tal tendência, mas estamos muito felizes", diz ele.

Wonderful comments

    Login You can publish only after logging in...